DESAFIO

A capacidade criativa dos artistas está a sofrer, cada vez mais, a interferência dos recursos tecnológicos, pelo simples facto de que cada dia surgem novos programas e ferramentas que nos permitem realizar tarefas que seriam impensáveis há pouco tempo atrás. As artes são áreas indispensáveis ao desenvolvimento global do ser humano, devendo ser promovidas ao longo da vida. São formas de saber que mobilizam várias dimensões cognitivas, ampliam o campo de experiências e promovem o sentido crítico.

A inserção das tecnologias da informação e da comunicação (TIC) em todas as dimensões da vida social trouxe modificações também no campo da arte. O avanço das tecnologias digitais possibilitou novas formas de criação e perceção, elevando discussões sobre novos paradigmas estéticos onde há uma redefinição da noção de autor, observador, objeto de arte e originalidade.

Aceitar que o fazer artístico e a fruição estética contribuem para o desenvolvimento de crianças e de jovens é ter a certeza da capacidade que eles têm de ampliar o seu potencial cognitivo e assim conceber e olhar o mundo de modo diferente.

A arte valoriza a organização do mundo das crianças e jovens, a sua auto- compreensão bem como o relacionamento com o outro e com o meio.

Se entendermos e estimularmos o ensino da arte numa perspetiva em que as atividades propostas serão na vertente do lúdico e do fazer, cuja ação é mais significante do que o produto final, se pensarmos num projeto e no seu processo onde cada etapa poderá ser ou não um novo projeto. Onde a conclusão do projeto não deverá ser a meta principal para a sua realização, e sim a pesquisa e o desenvolvimento do aluno nas respetivas linguagens artísticas, o crescimento da sua autonomia, a capacidade criativa e expressiva, o desenvolvimento do seu espirito critico. A escola será um espaço vivo, produtor de um conhecimento novo que aponta para a transformação.

Assim, concursos como este, independentemente dos temas apresentados, que promovem a criatividade e a utilização das novas tecnologias, e que permitem ao aluno exprimirem-se livremente, desenvolvendo a perceção, a imaginação, a observação, o raciocínio e o espirito critico, são fatores que com toda a certeza influenciam a sua aprendizagem. Neste sentido vale a pena continuar a desenvolver este tipo de iniciativas...

Caro(a) Colega, a si, pessoalmente lançamos 0 DESAFIO:

- como professor(a) de uma turma especial;

- como professor(a) especial de uma turma;

- como professor(a) de artes;

- como professor(a) de TIC;

- como professor(a) com sentido estético;

- ...

Motive os seus alunos e concorram, atrevam-se!

José Nobre
(Coordendor do Projeto)

Patrocinadores:


Parceiros:


Apoio:


Uma iniciativa:


Direção: António Rodrigues
acr@ccems.pt

Coordenação: José Manteigas
jmfm@ccems.pt

A. gráficas: António Palmeira
artistas@ccems.pt

Programação: Cristóvão Amado
amado@ccems.pt